segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

OS EFEITOS DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A SAÚDE DOS PORTUGUESES

De acordo Paulo Diegues, chefe da Divisão de Saúde Ambiental da Direcção-Geral da Saúde (DGS), o aumento da procura por serviços de emergência devido a problemas do sistema cardio-respiratório relacionados com a poluição e doenças transmissíveis pela água ou pelos alimentos, vem enfatizar a dimensão do problema das mudanças climáticas e dos seus efeitos na saúde dos portugueses. Segundo aquele especialista, que em 1996 foi meu monitor de estágio nos então Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Setúbal, esta situação afecta o mundo – confrontado com as mudanças climáticas -, mas mais particularmente a Europa. “Estima-se que mais de 370 mil pessoas na Europa sejam afectadas por problemas de poluição atmosférica, atribuídos em grande parte às alterações climáticas”, explicou à Agência Lusa. As ondas de calor de 2003, 2005 e 2006, a seca em 2004 e 2005 e as inundações em Outubro e Novembro de 2006 são exemplos de fenómenos climáticos extremos – intensificados pelo aquecimento global – em Portugal, com graves riscos para a saúde pública. De acordo com informação da DGS, “estas alterações de frequência e intensidade dos fenómenos climáticos extremos constituem graves riscos para a saúde humana”. Segundo dados do Ministério da Saúde, a mais famosa onda de calor em Portugal foi registrada em 2003, e ficou associada a um excesso de mortalidade de mais 1953 óbitos, dos quais 89% registaram-se em indiví­duos com idades iguais ou superiores a 75 anos. Em função disto, as autoridades de saúde implementaram, a partir de 2004, um plano de contingência para ondas de calor com o objectivo de “minimizar os efeitos negativos do calor na saúde”. Em 2006 foi registado o quinto Verão mais quente de Portugal desde 1931, com cinco ondas de calor meteorológicas. Em relação à chuva, as projecções apontam para “uma redução da precipitação durante a Primavera, Verão e Outono, mais evidente na região Sul, e para uma maior frequência de episódios de precipitação intensa”. Os efeitos das mudanças climáticas levaram as autoridades de saúde a elaborar planos de contingência e a monitorizar, além das ondas de calor, os níveis de ozono. Estes fenómenos contribuíram igualmente para a reactivação do sistema de vigilância de vectores em Portugal (Programa REVIVE). In http://saudeambiental.net Vale a pena pensar nisto...
Um conselho do Gabiente de Saúde Ambiental

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

PRESÉPIO DE NATAL- Centro de Saúde de Montargil

Os profissionais de saúde do Centro de Saúde de Montargil decidiram presentear os seus utentes com este magnífico presépio.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

X JORNADAS DE ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA

A pedido da organização das X Jornadas da ACP vimos por este meio divulgar este evento:
As X Jornadas de Abordagem Centrada na Pessoa, organizadas pela Universidade Autónoma de Lisboa em colaboração com a Associação Portuguesa de Psicoterapia Centrada na Pessoa e de Counselling, decorrerão nos dias 26 e 27 de Fevereiro de 2010, nas instalações da Universidade, sitas na Rua de Santa Marta, em Lisboa. Em Dezembro de 2010 cumprem-se 70 anos sobre a data geralmente considerada em todo o mundo como sendo a do início da Terapia Centrada no Cliente. A Abordagem Centrada na Pessoa (ACP), que começou por ser inicialmente utilizada do ponto de vista psicoterapêutico, tendo depois evoluído para outro tipo de aplicações, bastante diversas, ocupa hoje outros campos tais como organizações, escola e família, grupos e resolução de conflitos, entre outros. As X Jornadas de Abordagem Centrada na Pessoa, promovidas pela nossa Associação, destinam-se a reflectir sobre o estado da arte em Portugal, e sobre a aplicação da ACP nos mais diversos domínios de actividade, à partilha de experiências e ao enriquecimento geral e mútuo, tanto do ponto de vista profissional como académico. Procurar-se-á dar ênfase, muito em especial, à Psicoterapia, ao Counselling, nos seus diversos domínios, e à Pedagogia, enquanto actividades fortemente inspiradas pela Abordagem Centrada na Pessoa, ou rogeriana.As próximas Jornadas terão o tema Família, Parentalidade e Responsabilidades Sociais.
As normas sobre a apresentação de comunicações e inscrições estão disponíveis no site da APPCPC em
http://www.appcpc.com/noticia1.htm

A Ficha de Inscrição online, está disponível em http://www.appcpc.com/jornad02.htm

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

ÚLCERA DE PRESSÃO: FACTORES DE RISCO E PREVENÇÃO

Pode definir-se úlcera de pressão como uma lesão, localizada na pele, provocada por uma diminuição da quantidade de sangue, resultante da pressão e/ou fricção. Define-se também, como uma área localizada, onde ocorre a morte das células, devido à compressão do tecido entre uma proeminência óssea e uma superfície dura. São exemplos de superfícies duras as camas, as cadeiras de rodas, as talas, entre outros objectos rígidos.
As úlceras de pressão podem desenvolver-se estando a pessoa de pé, sentada ou deitada. Todas as zonas do nosso corpo (cabeça, orelhas, braços, pernas, etc.) são passíveis do desenvolvimento de úlceras de pressão, desde que estejam sujeitas a uma pressão não aliviada. No entanto, existem alguns locais onde a sua frequência é maior, tais como: a região sagrada, os trocânteres e os calcanhares.

São vários os factores que modificam a resistência da pele e que contribuem para o desenvolvimento das úlceras de pressão. Torna-se fundamental conhecer quais para podermos actuar. A idade, o peso corporal, as doenças associadas, o estado nutricional, a desidratação, a limitação da mobilidade, os défices sensoriais e a humidade são alguns dos factores que contribuem para o seu desenvolvimento. À medida que a idade avança a pele fica cada vez menos firme e elástica diminuindo, dessa forma, a sua resistência às forças de pressão e/ou fricção.
Constata-se também que os doentes emagrecidos, por estarem desprovidos de gordura nas proeminências ósseas, têm menor protecção. Por outro lado, os doentes obesos desenvolvem mais úlceras de pressão visto que, são muitas vezes sujeitos ao posicionamento por arrastamento, pela dificuldade que se impõe em mobilizá-los. Algumas doenças provocam a diminuição do aporte sanguíneo periférico, resultando em úlceras de pressão.
Um bom estado nutricional e uma adequada hidratação tornam-se extremamente importantes na medida em que, não só ajudam na prevenção das úlceras de pressão, como também se tornam cruciais no processo de cicatrização das mesmas.
A limitação da mobilidade, que se define como a incapacidade que o indivíduo tem em se mover, é sem dúvida um dos factores que mais contribui para o desenvolvimento das úlceras de pressão. Um indivíduo que esteja limitado na mobilidade, tem mais dificuldades em aliviar as áreas de pressão a que está sujeito. Por outro lado, está mais sujeito às forças de fricção e deslizamento ao escorregar na cama ou na cadeira. Se um indivíduo tem a sensibilidade comprometida tolera pressões muito mais prolongadas com consequente desenvolvimento de úlceras de pressão.
No que respeita à humidade, resultante muitas vezes da transpiração, da incontinência fecal e/ou urinária, do exsudado das feridas e da secagem incorrecta da pele do doente, a sua presença diminui a resistência da pele conduzindo à maceração da mesma.

São várias as medidas que podemos adoptar com o intuito de prevenir as úlceras de pressão. No que respeita à pele do utente esta deve ser limpa sempre que se encontre suja e em intervalos de rotina; bem seca e hidratada com cremes apropriados; e devem ser aplicadas massagens vigorosas, várias vezes ao dia, para melhorar o fluxo sanguíneo.
O posicionamento do utente torna-se fundamental na prevenção das úlceras de pressão. Todos os utentes condicionados ao leito ou a cadeiras devem alternar decúbitos pelo menos de 2 em 2 horas ou sempre que se justifique (de acordo com a necessidade do utente).
Existem materiais que se podem utilizar para posicionar o utente, tais como colchões, que permitem redistribuir o peso corporal, e almofadas de espuma que devem ser utilizadas com o objectivo de evitar o contacto entre proeminências ósseas e entre estas e superfícies duras.
As mobilizações devem ser sempre realizadas com o auxílio de um lençol ou resguardo para prevenir que o utente seja arrastado evitando assim a fricção. Aquando das transferências torna-se importante manter o alinhamento postural, apoiar bem os pés no chão, manter a coluna direita e apoiar o corpo do utente no corpo de quem o transfere.
Sofia Soeiro
Enfermeira

REESTRUTURAÇÃO DOS CENTROS DE SAÚDE

Inicialmente, o Centro de Saúde tinha como recursos humanos: Médicos, Enfermeiros, Técnicos de Saúde Ambiental, Administrativos e Auxiliares. Prestava cuidados no âmbito da Saúde Pública, da Medicina Familiar e de Enfermagem.
Actualmente tem: Médicos de Saúde Pública, Médicos de Família, Várias Especialidades Médicas, Enfermeiros, Psicólogo, Assistente Social, Dietista, Fisioterapeutas, Higienista Oral, Técnicas de Radiologia, Técnicos de Saúde Ambiental, Administrativos, Motorista, Auxiliares, Serviço de Limpeza, Seguranças, …, ou seja, o serviço tornou-se mais complexo e multiprofissional e desempenha um sem número de serviços, que vão muito para além dos cuidados assistenciais.
Esta crescente complexidade e multiprofissionalismo impuseram a necessidade de reforma do Serviço de Saúde, que é imprescindível, urgente e inadiável.
O XVII Governo Constitucional reconheceu os Cuidados de Saúde Primários como pilar central do Serviço Nacional de Saúde, entendendo-os como porta de entrada do cidadão neste serviço. Este sector desempenha funções primordiais e imprescindíveis na promoção da saúde/prevenção da doença (prevenção primária), na prestação de cuidados na doença (prevenção secundária), na minimização das sequelas e recuperação para a vida activa (prevenção terciária), ligação com outros serviços de saúde e com a comunidade (cuidados secundários, cuidados continuados, parcerias), formação profissional.
Várias tinham sido as iniciativas de reforma dos Centros de Saúde, mas sem sucesso significativo. Esta reforma mostra-se mobilizadora dos profissionais e os resultados têm sido animadores. Ela coloca o cidadão no centro do Sistema e permite maiores ganhos em saúde. Por outro lado, envolve os funcionários na elaboração dos contratos-programa e na elaboração dos estatutos das unidades funcionais a que pertencem.
Em 22 de Fevereiro foi publicada a Lei n.º 28/2008, visando a reestruturação dos Cuidados de Saúde Primários, de forma a melhorar o acesso do cidadão aos cuidados de saúde, prestados com melhor qualidade, permitindo maiores ganhos em saúde. Este diploma cria os ACES (Agrupamentos de Centros de Saúde), definidos como serviços públicos de saúde, com autonomia administrativa, formados por várias unidades funcionais, e cuja missão é garantir a prestação de cuidados de saúde primários à população abrangida pela sua área geográfica.
As unidades funcionais constituintes dos ACES são:
USF = (Unidade de Saúde Familiar), constituídas por Médicos de Família, Enfermeiros e Administrativos. São unidades funcionais dos Centros de Saúde, com autonomia funcional e técnica, que prestam cuidados de saúde aos utentes inscritos nas listas dos Médicos de Família que as integram. As USF assinam uma carta de compromisso constituída por quatro classes de indicadores da carteira básica (acessibilidade, desempenho assistencial, qualidade percepcionada e desempenho económico).
UCSP = (Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados) Tem estrutura idêntica às USF e presta cuidados personalizados, garantindo a acessibilidade, a continuidade e a globalidade dos cuidados de saúde. È constituída por Médicos, Enfermeiros e Administrativos não integrados em USF ou UCC.
UCC = (Unidade de Cuidados na Comunidade). Presta cuidados de saúde e apoio psicológico e social de âmbito domiciliário e comunitário, especialmente às pessoas, famílias e grupos mais vulneráveis, em situação de maior risco ou dependência. Actua na educação para a saúde, na integração em redes de apoio à família, etc. Participa na Rede de Cuidados Continuados Integrados e compete-lhe constituir a ECCI (Equipa de Cuidados Continuados Integrados).
USP = (Unidade de Saúde Pública) Compete-lhe, entre outras, elaborar informação e planos no âmbito da Saúde Pública, proceder à vigilância epidemiológica, gerir programas de intervenção no âmbito da prevenção, promoção e protecção da saúde, da comunidade em geral, etc.. Colabora no exercício das funções da Autoridade de Saúde Integra Médicos e Enfermeiros de Saúde Pública ou Comunitária, TSA e outros considerados necessários.
URAP = (Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados) Presta serviços de consultoria e assistenciais às unidades funcionais. É composta por Médicos de várias especialidades, Assistentes Sociais, Psicólogos, Nutricionistas, Fisioterapeutas, Técnicas de Saúde Oral e outros não afectos totalmente a outras unidades funcionais.
Para além das Unidades Funcionais, atrás descritas, os Agrupamentos podem ter outras que se mostrem necessárias. È o caso das UAG, que são Unidades de Apoio à Gestão.
O serviço de urgência foi outra das áreas abrangidas por esta reforma, passando o Centro de Saúde Ponte de Sor a contar com um Serviço de Urgência Básico, integrado na Rede Nacional de Urgências.
A reestruturação está em curso e envolve-nos a todos. Mas era inevitável. Os Centros de Saúde não poderiam continuar dependentes de legislação que já não se adequava às condições actuais.
A mudança, pela incerteza que a caracteriza, é sempre um processo difícil e gerador de ansiedade e receios, mas é obrigação de todos analisar esta reestruturação e abraçá-la. Cumpre-nos a nós definirmos os moldes em que vamos fazê-la, porque ela acontecerá.

Fernando Rodrigues
Responsável pelo Centro de Saúde de Ponte de Sor

PROGRAMA NACIONAL DA SAÚDE ORAL - CHEQUE DENTISTA NA SAÚDE ESCOLAR

O processo de encaminhamento para tratamento e/ou prevenção em saúde oral no âmbito da saúde escolar , abrange prioritariamente crianças e jovens em faixas etárias pré definidas 7, 10 e 13 anos.
Todas as crianças e jovens encaminhados através de cheque dentista para a intervenção médico dentária deverão no final das intervenções ter todos os dentes permanentes protegidos ou tratados.
Aos 7 anos, são protegidos ou tratados os primeiros molares permanentes, aos 10 os pré – molares e aos 13 os segundos molares. As faixas etárias dos 7 e 10 anos têm direito a 2 cheques – dentista, tendo os jovens de 13 anos direito a 3 . Em concelhos onde os serviços de saúde têm higienista oral o mesmo desloca-se á escola e faz uma triagem ás crianças das faixas etárias referidas.
O Gestor local de saúde oral encaminha para a consulta de higiene oral do Centro de Saúde as crianças e jovens isentas de cárie na dentição alvo para aplicação de medidas preventivas .Para a intervenção médico dentária são encaminhados os que apresentam pelo menos uma cárie em dente permanente (cheque dentista ).

É emitida uma carta informativa para as crianças cujos dentes alvo de análise , ainda não nasceram . Estas crianças receberão o cheque dentista no ano lectivo seguinte.

Em concelhos sem higienista oral o Gestor encaminha sem triagem para a intervenção médico dentária as crianças e jovens das faixas etárias abrangidas.
Todo o processo do encaminhamento é feito em parceria com os agrupamentos de escolas.
No Centro de Saúde de Ponte de Sor decorreram entre Julho e Outubro as consultas de higiene oral referentes á população encaminhada através do referido processo. Pode-se constatar que houve uma boa adesão ao programa a nível da prevenção, cerca de 79% dos encaminhados compareceram á consulta. A população encontra-se motivada para aderir a este tipo de iniciativa, tendo cada vez mais consciência da importância dos cuidados de higiene oral.

No presente ano lectivo 2009-2010, já se encontra em curso o processo de encaminhamento para tratamento e/ou prevenção que irá abranger as crianças e jovens nascidos em 1996, 1999 e 2002. O cheque dentista do corrente ano lectivo é válido até 31-08-2010.

Conceição Chinarro

Higienista Oral

JANTAR DE NATAL DO CENTRO DE SAÚDE DE PONTE DE SOR

No dia 11 de Dezembro de 2009 realizou-se, como tem sido tradição, o jantar de Natal do Centro de Saúde de Ponte de Sor onde reinou a animação e o convívio entre colegas.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

FELIZ NATAL

Com os nossos melhores votos, desejamos um feliz e próspero Ano Novo. Que a celebração destas Festas seja o início de uma vida melhor!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

DIA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

A 10 de Dezembro assinala-se a Comemoração da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A Declaração Universal dos Direitos Humanos nasceu no dia 10 de Dezembro de 1948. O princípio básico desta Declaração diz-nos: “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos”.Com base neste artigo, a Declaração condena todas as formas de discriminação (sexual, racial, religiosa, social, política, linguística,…), a violência, a tortura e a escravidão.

DIA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS- 10 DE DEZEMBRO

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

DIA MUNDIAL DA LUTA CONTRA A SIDA

O VIH no local de trabalho é o tema em debate nas actividades que se realizam este ano, no País, no Dia Mundial da Sida, que se assinala a 1 Dezembro. O tema mundial é “Acesso Universal e Direitos Humanos”.
O Dia Mundial de Luta Contra a SIDA tem como principal objectivo promover a prevenção e conscientização sobre a epidemia de HIV. A SIDA é um problema de saúde publica prioritário que necessita de uma resposta combativa a nível local, regional e nacional, para alcançar uma solução global . Para isso o indivíduo e a sociedade devem contar com informação precisa e fundamentada cientificamente.
Comissão Nacional de Luta Contra a SIDA: URL: http://www.sida.pt Descrição: Conheça neste sítio o Plano Nacional de Luta Contra a SIDA, os seus princípios básicos e o desafio que representa para a Saúde Pública portuguesa.
Abraço: URL: http://abraco.org.pt/ Descrição: Uma instituição que tem como principais objectivos a prevenção, informação e apoio pessoal e hospitalar às vitimas da SIDA.
Instituto Portugês da Juventude:
URL: http://juventude.gov.pt/portal/ipj Descrição: Página do Instituto Português da Juventude dedicada à informação e prevenção na saúde e qualidade de vida para os jovens.
A LUTA CONTRA A SIDA NO MUNDO
World Aids Day: URL: http://www.worldaidsday.org/ Descrição: O sítio oficial do World Aids Day contém o programa do projecto que, em 1999, teve como tema “ouvir, aprender e viver”, direccionado para as crianças e os jovens . National Aids Trust: URL: http://www.nat.org.uk/ Descrição: Juntamente com as Nações Unidas, a National Aids Trust é um dos organizadores do World Aids Day. Com apontadores para outros projectos desta organização. UNAIDS: URL: http://www.unaids.org/ Descrição: O objectivo da UNAIDS (programa das Nações Unidas para o combate à SIDA) é incentivar a procura de uma resposta à epidemia do vírus da SIDA. Pela Vidda:
URL: http://www.pelavidda.org.br/ Descrição: Descubra neste sítio as actividades e serviços prestados por esta Organização não Governamental de Luta Contra a Sida.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA- GRITA! GRITA MAIS ALTO!

No ano passado, o Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA) somou 45 homicídios consumados. Atendeu a descendentes directos e a outros familiares. Mortas por marido, companheiro ou namorado, ex-marido, ex-companheiro ou ex-namorado eram 40 - um pico sem explicação aparente: em 2007, foram 20; em 2006, 31; em 2005, 31; em 2004, 31. Maria José Magalhães, a nova presidente da UMAR- União de Mulheres Alternativa e Resposta chama a atenção para o facto de algumas mulheres terem sido assassinadas depois de terem posto fim à relação (nove dos 25 homicidas encaixam na categoria de ex-marido, ex-companheiro ou ex-namorado). E para a idade das vítimas (seis com idades compreendidas entre 18 e 23 anos e 11 com idades compreendidas entre os 24 e os 35). Nalguns casos, havia queixa. "De algum modo, a sociedade não tem garantido a sua protecção", interpreta.

Os números reflectem a atenção que os meios de comunicação social dão - ou não - ao fenómeno, haveria de comentar, por telefone, a secretária de Estado da Igualdade, Elza Pais. "A violência doméstica está mais visível e é mais intensa. As mulheres estão a reagir cada vez mais à violência e quando as reacções não são apoiadas podem suscitar retaliações que podem ter consequências extremas. A solução não é não fazer frente. A solução é fazer frente, pedindo ajuda."

Marlene Matos, professora da Escola de Psicologia da Universidade do Minho, está de acordo: "Nos últimos 30 anos, as mulheres redefiniram o seu papel na sociedade e nas relações. Antes, só tinham deveres. Agora, também têm direitos. Têm direito, por exemplo, a serem valorizadas, a não serem menorizadas. Toleram menos as relações abusivas".

O risco da indiferença

Atrás de Maria José Magalhães há um cartaz vermelho, rectangular: "Grita! Grita mais alto! Grita ainda mais alto para que os teus vizinhos te ouçam e possam gritar contigo. Para que todos e todas possamos gritar contra a violência sobre as mulheres e contra o homicídio conjugal."

"A mentalidade está a mudar", acredita o professora da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Até 2006, com alguma frequência, surgiam notícias dentro das quais cabiam vizinhos a atestar surpresa e a desculpar o agressor: "Ainda aparece um ou outro a dizer mal do agressor, mas já não é vulgar". Agora, os vizinhos falam de queixas. Num dos casos, a GNR já lá fora três vezes e noutra sete.

"Cada vez há mais pessoas a apontar o dedo", corrobora. Ainda é invulgar, porém, qualquer vizinho ou familiar denunciar um caso. Apesar de ser público, o crime tende a chegar às esquadras da PSP e aos postos da GNR pela boca das vítimas. Atoladas na ambivalência, muitas morrem sem antes pedir ajuda.

Na opinião de Maria José Magalhães, tem falhado a avaliação do risco: "É preciso levar os sinais e as ameaças a sério. Muitas vezes, as pessoas dizem: "Ela ameaçava, nunca pensei que chegasse a este ponto". Há uma atitude de benefício ao agressor. Em caso de dúvida, é preciso pecar por excesso e por defeito, dar o benefício à vítima e não ao agressor".

Marlene Matos também acha que "o risco nem sempre é realisticamente avaliado". "A própria vítima nem sempre consegue avaliar o risco", enfatiza. Tem de haver quem o faça por ela. Não é tudo: "Tem de haver uma punição associada a este comportamento. O número de condenações é muito baixo. Se calhar, quem pratica este tipo de crimes ainda não se sente punido ou vigiado".

Sopram promessas de mudança. "A Secretaria de Estado está a fazer a monitorização das situações que acontecem", adianta Elza Pais. "Quando os casos já estavam sinalizados tem de se ver o que falhou e chamar à responsabilidade".

Deposita esperança na nova lei da violência doméstica, que entrou em vigor em Setembro e carece de regulamentação. Desde logo, porque "permite à polícia deter o agressor sem ser em flagrante delito, o que evita situações dramáticas de perigo iminente". Há um alargamento do quadro jurídico.

Fonte: Público

DIA INTERNACIONAL CONTRA A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

DIA MUNDIAL DA DIABETES - "Educar e Prevenir a Diabetes"

Educação e Prevenção da Diabetes foi o tema proposto pela Federação Internacional da Diabetes, para a comemoração do Dia Mundial da Diabetes, a 14 de Novembro. Esta campanha, para o período de 2009-2013, apela para a crescente necessidade de se compreender, educar e controlar a diabetes.
Como forma de se associar a esta iniciativa mundial, e porque a diabetes afecta actualmente 12,2% da população alentejana* (4,7% ainda não diagnosticada), o Centro de Saúde de Ponte de Sôr promoveu na passada 6ª feira, mais uma Sessão de Esclarecimento sobre os “Cuidados Alimentares na Diabetes”, a qual vai já na 2ª edição.
Esta sessão contou com a presença de 12 pessoas, entre diabéticos e familiares, que quiseram saber mais sobre a alimentação do diabético e sobre os 3 princípios básicos para cuidar da diabetes: alimentação saudável, actividade física regular e medicação adequada. Proporcionou-se também um momento de debate e partilha de experiências entre os participantes, para o qual contribuiu o Sr. João Biscaia, de 76 anos e diabético há mais de 50 anos.
Desmistificar alguns preconceitos sobre a alimentação do diabético e contribuir para a sensibilização da população para este problema, foram os objectivos alcançados. A alimentação saudável é fundamental para uma diabetes bem cuidada e promove, sem dúvida, uma melhor qualidade de vida! * Estudo da Prevalência da Diabetes em Portugal, 2009
Dietista Marta Carrilho

terça-feira, 17 de novembro de 2009

CAMPANHA ABRAÇO

CAMPANHA ABRAÇO

Mais informações em: http://www.abraco.pt/casasercrianca/

GRIPE A

PONTE DE SOR COMEMORA O 20º ANIVERSÁRIO DA CONVENÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

No dia 20 de Novembro celebram-se duas décadas de existência da Convenção Internacional dos Direitos da Criança.
De forma a assinalar e comemorar esta data, a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Ponte de Sor vai promover uma palestra presidida pelo Interlocutor Distrital da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco, Dr. Jorge Souto, subordinada ao tema "Defesa dos Direitos da Criança. Uma realidade local". Serão também levadas a cabo actividades culturais efectuadas pelos alunos da Escola Básica João Pedro de Andrade. Este evento realizar-se-á no Auditório do Centro de Artes e Cultura de Ponte de Sor.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

ESPECIALISTA DIZ QUE FALTAM ASSISTENTES SOCIAIS NOS CENTROS DE SAÚDE

«O coordenador de um estudo sobre o serviço social na Saúde defendeu hoje que faltam assistentes sociais nos centros de saúde e lamentou que predomine a “cultura biomédica, que não valoriza os outros aspectos” relacionados com a doença.“Há muitos centros de saúde sem assistente social ou que não tinham nenhum até há muito pouco tempo”, disse o docente da Universidade Católica Francisco Branco, a propósito do congresso “Intervenção social na Saúde: Planeamento da alta hospitalar”, organizado pelo Serviço Social do Centro Hospitalar de Lisboa Central, que começa hoje em Lisboa.
Francisco Branco coordenou um estudo do Centro de Estudos de Serviço Social de Sociologia da Universidade Católica, realizado há cerca de dois anos a pedido da então secretária de Estado Adjunta e da Saúde Cármen Pignatelli, que revelou um “número claramente insuficiente” destes profissionais nos cuidados de saúde primários. Muitos dos directores de centros de saúde inquiridos manifestaram esse problema, afirmou o especialista. Por outro lado, os recursos não estavam distribuídos de uma forma muito racional. Há centros de saúdes em zonas de grande densidade populacional, com uma grande incidência de idosos e prevalência de muitas doenças e onde existe apenas um assistente social. E há centros de saúde sem estas características com dois profissionais, exemplificou, ressalvando que este estudo foi realizado antes da actual reforma dos cuidados primários, nomeadamente a constituição dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES). “Esta reforma organizativa ao nível dos cuidados de saúde primários pode atenuar este problema”, sustentou.Nos hospitais, embora a carência de assistentes sociais aparentemente seja menor, nem sempre há um critério de racionalidade muito clara, adiantou. Para o especialista, “o serviço social é o espelho do que tem sido a política de saúde em Portugal, onde as medidas vão sendo adoptadas, nem sempre de uma forma suficientemente continuada”.O estudo verificou ainda que o serviço social desempenha uma “enorme mais valia no Serviço Nacional de Saúde (SNS)” por ser um elemento de ligação entre diferentes serviços e por cobrir muitas lacunas e problemas do SNS, designadamente na função de facilitar o acesso dos cidadãos à saúde, agilizar o atendimento, facilitar processos de meios complementares de diagnóstico e os recursos necessários ao tratamento. Por outro lado, acrescentou, “tem um papel muito importante na reintegração social e nos cuidados do doente após o episódio que o levou às unidades de saúde e que requer cuidados continuados, familiares ou de enfermagem”.
Para Francisco Branco, um dos “grandes problemas que os assistentes sociais enfrentam é de ainda continuar a predominar nos serviços de saúde a cultura biomédica, que não valoriza os outros aspectos relacionados com a saúde”
Fonte: Público

terça-feira, 3 de novembro de 2009

NO DIA 14 DE NOVEMBRO É O DIA MUNDIAL DOS DIABETES

Como vem já sendo hábito, a Associação de Apoio aos Diabéticos do Concelho de Ponte de Sor, comemora o Dia Mundial dos Diabetes com um encontro de todos os diabéticos do concelho de Ponte de Sor, pelas 10 horas no Cine Teatro de Ponte de Sor. Tem havido uma grande participação, em especial dos diabéticos das freguesias. O seu transporte deve-se à colaboração de todas as juntas de freguesia deste concelho, que sempre se têm mostrado disponíveis para esta acção. O programa do encontro consta de uma sessão de sensibilização sobre a diabetes, seguido de um momento de boa disposição e de entretenimento, terminando com um almoço oferecido pela Câmara Municipal de Ponte de Sor. Para todas as instituições autárquicas deste concelho, um muito obrigado em nome dos diabéticos. Para os diabéticos, peço o favor de não se esquecerem de comparecer. É um dia diferente, é um dia de convívio, de aprendizagem, de troca de experiências, de divertimento. Ps. Para o almoço é necessário a inscrição atempada, na D. Helena Bicho, Dra. Gracinda Rodrigues, Enfª Sandra Costa, Sr. António Peguinho. Obrigado. MGSPRodrigues

CENTRO DE SAÚDE DE PONTE DE SOR TEM EQUIPA DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (ECCI)

O aumento da esperança de vida acarreta o aumento da incidência de doenças degenerativas crónicas cuja evolução progressiva e incurável é responsável por grande parte do sofrimento, quer nos doentes quer nas suas famílias. Com a finalidade de atenuar o sofrimento e proporcionar o melhor bem-estar possível, foram estabelecidos novos conceitos de cuidados de saúde que são globais, activos e que são prestados por uma equipa multidisciplinar, os chamados cuidados continuados.
Os cuidados continuados desempenham um papel muito importante na coesão da sociedade e no respeito pelo indivíduo. Pretende-se que todos os cidadãos possam ter um acesso cada vez mais prático e com uma qualidade cada vez mais elevada. A formação de uma Equipa de Cuidados Continuados Integrados no Centro de Saúde de Ponte de Sôr, que se pretende multidisciplinar, traduz a criação de uma valência essencial para um Concelho como o de Ponte de Sôr.
DESTINATÁRIOS: · Pessoas de todas as idades com dependência funcional; · Pessoas com doença crónica; · Pessoas com doença incurável em estado avançado e em fase final da vida; · Doentes que reúnam condições no domicílio para lhes serem prestados os cuidados que necessita.
QUEM PODE SINALIZAR: · Médicos de Família/Enfermeiros; · Familiares e/ou alguém próximo do doente; · Hospitais (Equipa de Gestão de Altas); · Instituições.
A ECCI É CONSTITUÍDA POR: · MÉDICOS Fernando Rodrigues Gracinda Rodrigues · ENFERMEIROS Maria Almerinda Marques Sofia Soeiro Susana Lopes · PSICÓLOGO Jorge Mourato · ASSISTENTE SOCIAL Carmen Barradas

terça-feira, 27 de outubro de 2009

PROJECTO DA EQUIPA DE SAÚDE ESCOLAR NOMEADO PARA O PRÉMIO BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE

A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar (APDH) e a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), em parceria com a Direcção-Geral da Saúde, o Alto Comissariado da Saúde e as Administrações Regionais de Saúde (ARS), promoveram o Encontro Equidade, Efectividade e Eficiência em Saúde, nos dias 22 e 23 de Outubro, no Auditório do Instituto Politécnico de Beja. A terceira edição do evento incluiu a entrega do Prémio de Boas Práticas Novartis Oncology/APDH. O projecto da Equipa de Saúde Escolar do Centro de Saúde de Ponte de Sor "De Pequenino se Torce o Pepino" foi um dos nomeados para o prémio Boas Práticas em Saúde. A apresentação deste projecto foi efectuado no dia 22 de Outubro através da apresentação de um vídeo alusivo às actividades efectuadas no ano lectivo 2007/2008 no âmbito da saúde escolar.
As fotografias abaixo indicadas dizem respeito às actividades descritas no projecto "De Pequenino se Torce o Pepino".
1-Sessões sobre alimentação na Semana da Saúde.
2- Sessões sobre Saúde Oral. 3- Pedipaper Saudável. 4- Dia Mundial da Criança. 5- Plano Nacional de Vacinação (professores). 6- Doutores da Alegria. 7- Sessões sobre Sexualidade.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Mais 6 mil crianças e jovens em risco

Foram sinalizados mais de 6 mil casos de maus-tratos em crianças e jovens entre Janeiro de 2008 e Junho de 2009, dos quais 25 por cento foram encaminhados e acompanhados pela Comissão de Protecção de Crianças e Jovens e apenas 6 por cento foram dirigidos para os Tribunais.
Os dados foram hoje apresentados no I Encontro Nacional da Rede de Núcleos da Acção de Saúde para Crianças e Jovens em Risco, em Lisboa, e resultam de um estudo exploratório que será divulgado dentro de algumas semanas. "Trata-se de um estudo exploratório feito em colaboração com as vários Administrações Regionais de Saúde (ARS) e que estará disponível dentro de algumas semanas, com informação mais detalhada e que possa ter em conta a perspectiva epidemiológica do fenómeno dos maus-tratos em si", referiu Vasco Prazeres, coordenador da Acção de Saúde para Crianças e Jovens em Risco.
De acordo com a ministra da Saúde, Ana Jorge, este é um número preocupante, já que os casos que normalmente vêm ao conhecimento público são apenas a "ponta do icebergue".
"Em casos de risco ou de maus-tratos, aquilo que vem ao conhecimento em geral é ponta do icebergue porque no fundo são as situações muito dramáticas, de grande risco, agressividade que, muitas vezes, têm por debaixo muitas crianças e famílias. Uma criança que está em risco ou maltratada é sempre um sinal de que há uma família em risco. O número elevado é preocupante mas porque o facto de termos uma criança que habitualmente não se defende precisa de ser protegida é sempre preocupante", explicou.
Com o intuito de disponibilizar toda a informação relativa aos casos sinalizados, irá ser desenvolvida antes do final de 2010 uma aplicação informática.
"A aplicação informática irá ajudar a organizar e sistematizar toda a intervenção clínica. Por outro lado, irá permitir uma perspectiva epidemiológica de um fenómeno que é complexo e que se apresenta de diversas formas, com diversos sinais. No fundo, trata-se de potenciar a capacidade de trabalho em rede para acompanhar cada situação de maus-tratos", concluiu.
Para a Ministra da Saúde, o trabalho desenvolvido pelos 98 Núcleos da Acção de Saúde para Crianças e Jovens em Risco, a funcionar a nível nacional nos centros de saúde e hospitais, têm vindo a desenvolver um bom trabalho, embora reconheça que existem alguns constrangimentos, como a falta de profissionais.
"É necessário envolver os profissionais , fazer formação, sensibilizar não só os profissionais do núcleo para saber como se acompanha, como se trata. Portanto, é envolver de profissionais dos diferentes serviços de saúde mas trabalhar em rede com as escolas , as instituições de crianças, com a Segurança Social, com estruturas da comunidade que podem integrar crianças e dar apoio".
Fonte: Agência Lusa

domingo, 18 de outubro de 2009

À CONVERSA COM...

NOME: Fábio Roberto Teles Gonçalves Fernandes DATA DE NASCIMENTO: 08/09/1981 PROFISSÃO: Segurança Privado no Centro de Saúde de Ponte de Sor HOBBIES: Fotografia HÁ QUANTO TEMPO EXERCE? Há 3 anos e 5 meses. O QUE MAIS GOSTA NA SUA PROFISSÃO? Das relações pessoais com as pessoas e do sentimento de entre-ajuda. O QUE GOSTA MENOS? Quando ocorrem situações desagradáveis como por exemplo a falta de respeito e compreensão dos utentes para com os funcionários. QUAL O EPISÓDIO MAIS MARCANTE NA SUA CARREIRA? É óbvio que existiram algumas situações não tão agradáveis que não posso falar por motivos profissionais... SE LHE PEDISSEM PARA FAZER UM BALANÇO DA SUA VIDA PROFISSIONAL, O QUE DIRIA? Diria que esta profissão não é propriamente a minha ambição profissional mas pretendo desempenhá-la de forma competente enquanto assim que tiver que ser. QUAL A MENSAGEM QUE QUER DEIXAR PARA AS PESSOAS QUE ESTÃO NO INÍCIO DA CARREIRA? Primeiro que tudo tentem compreender as pessoas e sendo esta por vezes uma situação ingrata, tentem não desesperar e compreender que nem todas a fases serão más.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO 2009

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) comemora, todos os anos, no dia 16 de Outubro, o Dia Mundial da Alimentação. Esta foi a data escolhida, pois neste dia, em 1945, foi criada a FAO, uma organização cujo objectivo principal é elevar os níveis de nutrição e desenvolvimento rural. Durante o Dia Mundial da Alimentação, celebrado pela primeira vez em 1981, destaca-se em cada ano, um tema diferente para o qual se focalizam todas as actividades. Este ano, a data é dedicada ao tema “Alcançar a Segurança Alimentar em Época de Crise”. Cerca de 150 países comemoram oficialmente esta data promovendo seminários alusivos ao tema anual, eventos culturais e desportivos para sensibilizar a população para a importância de erradicar a fome no mundo e angariar fundos para este fim. Numa altura em que a crise económica mundial domina a actualidade, é importante defender que um desenvolvimento sustentável ao nível da agricultura e da produção alimentar é fundamental para garantir às populações o acesso a uma boa alimentação, segura e com qualidade do ponto de vista nutricional. Este ano, a FAO estima que a fome atingirá um novo recorde histórico: 1 em cada 6 pessoas no planeta. A situação é ainda mais grave nas zonas rurais, devido ao aumento repentino dos preços dos alimentos e dos combustíveis em 2007-2008. No Dia Mundial da Alimentação, não podemos deixar de reflectir sobre aquilo que comemos e sobre a situação alimentar no mundo actual. É do conhecimento geral, que também uma parte da população mundial sobre de obesidade, o que reflecte e desequilíbrio sobre a forma com que os alimentos são produzidos e distribuídos a nível mundial. Todos sabemos o quão vital é a alimentação. O tipo de alimentos que se escolhem e aos quais se tem acesso não têm apenas implicações físicas e psicológicas a nível individual, tocam toda a sociedade e têm consequências à escala mundial.
Marta Carrilho
Dietista

SEMANA DO ALEITAMENTO MATERNO - 5 a 11 de Outubro

A OMS (Organização Mundial de Saúde) e a UNICEF recomendam o aleitamento materno exclusivo, desde o nascimento até aos 6 meses de vida e a manutenção da amamentação com alimentação diversificada até aos 2 anos. O leite materno proporciona à criança o melhor começo de vida, porque contem todos os nutrientes necessários, para esta crescer e se desenvolver. É o único alimento que fornece protecção imunitária, “é a primeira vacina do bebé”, protegendo-o das diarreias, alergias e outras infecções, o que se traduz numa vida mais saudável, com menor: número de consultas pediátricas, gasto em medicamentos, absentismo laboral por parte dos pais (devido às doenças dos filhos). É grátis, está sempre disponível, à temperatura ideal e não necessita esterilização. O Aleitamento Materno tem também vantagens para a Mãe, como por exemplo: favorece e fortalece o vínculo Mãe / Filho, acelera a recuperação pós-parto, estimula a involução uterina, diminui a hemorragia, protege contra o cancro da mama e do útero. Conscientes de todas as vantagens do Aleitamento Materno, os profissionais do Centro de Saúde de Ponte de Sôr, não podiam deixar de participar nesta comemoração tão importante para a saúde das nossas crianças e mães. Estamos disponíveis para apoiar e aconselhar as mães, a desenvolverem capacidades para amamentarem com sucesso. Podem sempre contar com o nosso apoio, (como já vem acontecendo há muito tempo) antes do parto, durante o puerpério (período pós-parto), assim como, durante o primeiro e segundo anos de vida. A enfermeira especialista de Saúde Materna e Obstétrica, está sempre disponível para prestar essa ajuda sempre que solicitada, no Centro de Saúde ou no domicílio. Com a certeza de que a amamentação dá à criança o melhor começo de vida.
Maria Catarina Branquinho
Enfermeira Especialista de Saúde Materna e Obstétrica

HUMOR

O velhinho entra no consultório e vai falando para o médico:
- Doutor preciso da sua ajuda. O senhor sabe que eu já tenho noventa e cinco anos, não é? Acontece que eu não paro de correr atrás das mulheres.
- Mas isso é muito bom. Mostra que o senhor ainda gosta das boas coisas da vida. Não vejo mal nenhum nisso.
- O problema, doutor, é que quando eu consigo uma mulher nem me lembro mais para que é que ela serve.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

CONSULTA ABERTA DE NUTRIÇÃO - 16 DE OUTUBRO DE 2009

No próximo dia 16 de Outubro comemora-se o Dia Mundial da Alimentação. O Centro de Saúde de Ponte de Sôr irá assinalar este dia com a realização de uma Consulta Aberta de Nutrição. Na próxima 6ª feira entre as 10H00 e as 12H00, estará aberta a Consulta de Nutrição deste Centro de Saúde a toda a população. Poderá avaliar o seu IMC (Índice de Massa Corporal) e receber aconselhamento em matéria de alimentação saudável. Se cuida da sua alimentação e precisa de alguns conselhos, venha ter connosco!

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO - 16 DE OUTUBRO- ACTIVIDADES

No próximo dia 16 de Outubro, o Centro de Saúde de Ponte de Sor vai comemorar simbolicamente o Dia Mundial da Alimentação apresentando a peça de teatro "Planeta do Faz Nenhum".
Esta peça dirigir-se-á aos alunos do 1º ano da EB1 da Av. Garibaldino de Andrade e aos alunos do Centro de Recuperação Infantil de Ponte de Sor - CRIPS. Terá lugar no Cine-Teatro de Ponte de Sor (14h00m) e no Auditório do CRIPS (15h00m). Esta acção terá como actores os elementos da Equipa de Saúde Escolar do Centro de Saúde de Ponte de Sor.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

DIA NACIONAL DA ÁGUA

O Dia Nacional da Água foi instituído por despacho do Primeiro-Ministro a 9 de Fevereiro de 1983. A data pretende reconhecer a importância deste recurso a nível nacional e sensibilizar a sociedade portuguesa para a necessidade de o preservar através de comportamentos e hábitos quotidianos responsáveis. A água é um bem essencial que se tem vindo a tornar mais escasso, o que se intensificará com as Alterações Climáticas. Alterações dos padrões de precipitação e desertificação são alguns dos fenómenos que já têm grande expressão em certas partes do mundo, condicionando a vida de muitos milhões de pessoas. Embora o direito à água potável seja considerado um direito universal, infelizmente o acesso a este recurso vital não é generalizado, calculando-se cerca de 6000 pessoas morram todos os dias por falta de água potável. Para alertar o público para o problema e para ajudar a combater este flagelo foi lançada no mercado a EarthWater, um produto com o selo do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e cujos lucros revertem a favor do seu programa de distribuição de água – 4 cêntimos são o suficiente para disponibilizar a quantidade diária de água necessária a um refugiado. Em Portugal o produto foi lançado no mercado com a colaboração da Tetra Pak, do Continente, da Central de Cervejas e Bebidas, da MSTF Partner, do Grupo GCI e da Fundação Luís Figo e com o preço recomendado de 59 cêntimos.

Fonte: Naturlink

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

GRIPE A

As pandemias da gripe são fenómenos epidemiológicos de grandes proporções que afectam vários continentes e países simultaneamente. Surgem na sequência do aparecimento de um novo subtipo do virús que na ausência de anticorpos protectores encontra condições facilitadoras para se propagar. Conhecer as manifestações desta doença, bem como as suas formas de transmissão, constitui a forma mais eficaz de, sem alarmismos, adoptar as medidas de prevenção mais adequadas.
Gripe A

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Manuel Pizarro, Secretário de Estado da Saúde, visitou USF Portus Alacer, em Portalegre, e SUB de Ponte de Sor

A requalificação do Serviço Nacional de Saúde (SNS) permitiu, este mês, a entrada em funcionamento de dois novos serviços no Alentejo. Trata-se de uma Unidade e Saúde Familiar (USF), em Portalegre – a primeira no distrito – e de um Serviço de Urgência Básico, em Ponte de Sor. Os dois serviços foram visitados hoje, dia 10 de Setembro, pelo Secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro. A visita começou às 10 horas na USF Portus Alacer, instalada no Centro de Saúde de Portalegre. Criada no âmbito da reforma dos cuidados de saúde primários, esta unidade é constituída por seis médicos, oito enfermeiros e sete administrativos que assistem perto de 11 mil utentes do distrito, o 17.º do país a ser abrangido por Unidades de Saúde Familiar. Pelas 12 horas, Manuel Pizarro esteve no Centro de Saúde de Ponte de Sor, onde funciona o novo SUB. Aberta 24 horas por dia, esta urgência conta com dois médicos e dois enfermeiros, com serviços de radiologia e análises clínicas. O SUB de Ponte de Sor insere-se no processo de requalificação das urgências, que tem por objectivo a criação de uma rede de urgências organizada, moderna, tecnicamente bem equipada e geograficamente desenhada de acordo com as necessidades das populações.
Fonte: Portal da Saúde

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

CENTRO DE SAÚDE DE PONTE DE SOR FICA EM 1º LUGAR COM POSTER CIENTIFICO SOBRE "O PLANETA DO FAZ NENHUM"

O Centro de Saúde de Ponte de Sor foi distinguido no Encontro de Saúde do Alentejo, subordinado ao tema Saúde Positiva no Alentejo - Perto de Si, realizado no Auditório da Universidade de Évora, nos dias 7 e 8 de Setembro de 2009, com o 1º lugar para o poster cientifico "O Planeta do Faz Nenhum".
O poster premiado está enquadrado no projecto da Equipa de Saúde Escolar do Centro de Saúde de Ponte de Sor, onde se pretende contribuir para a criação de condições, ambientais e de relação na comunidade escolar, favorecendo a área da saúde, segurança, bem – estar da população escolar e consequentemente do seu sucesso educativo e pessoal. Esta equipa é constituída pelos seguintes profissionais de saúde: Carmen Barradas, Conceição Chinarro, Gracinda Rodrigues, Jorge Mourato, Lurdes Ribeiro, Márcia Monteiro, Marta Carrilho, Paula Catela, Rui Farinha e Sandra Costa.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

A MODA DAS DIETAS...

Surgem habitualmente com o verão e os dias quentes, as preocupações com o peso, as dietas rápidas e consequentemente os erros alimentares!
No entanto, nunca é demais lembrar, que soluções milagrosas para emagrecer, não existem!
A maioria das dietas de curto prazo, não é monitorizada do ponto de vista nutricional e fazem perder peso apenas temporariamente, uma vez que implicam grandes restrições alimentares e uma redução exagerada nas calorias ingeridas.
Contudo, perder peso não significa propriamente emagrecer! Na maioria dos casos, esta perda de peso é consequência da perda de massa muscular e da perda de líquidos, que muitas vezes chega mesmo à desidratação, havendo portanto, uma perda de gordura corporal mínima. Acontece também, que cada vez que se faz uma dieta não controlada, o metabolismo vai diminuindo e torna-se cada vez mais difícil emagrecer. É este recurso indefinido às dietas rápidas que provoca o chamado Efeito “Yo-Yo” e que pode dar origem a uma série de complicações para a saúde, como problemas renais ou hepáticos, fadiga extrema, anemia, entre outras.
Normalmente, utiliza-se o termo dieta como sinónimo de restrição alimentar ou regime de emagrecimento, contudo, no verdadeiro sentido da palavra, dieta representa tudo quanto se come e bebe ao longo do dia, independentemente dos seus efeitos (engordar, emagrecer ou outros). Uma dieta de emagrecimento exige cuidados dietéticos específicos. É essencial que seja assegurado um aporte nutricional adequado à idade, condição física, existência ou ausência de doença, medicação seguida, entre outras condicionantes. Por esta razão, a dieta de emagrecimento deve ser personalizada e prescrita por um profissional habilitado: o Dietista/ Nutricionista. A finalidade é, além de emagrecer com saúde, conseguir manter o peso alcançado ao longo do tempo.
Para que isto seja possível, é necessário determinação para reaprender a comer e gradualmente, adoptar um estilo de vida saudável. Acima de tudo, é preciso querer não voltar a engordar!
Marta Carrilho
Dietista

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

SESSÃO TEMÁTICA: O MICROCRÉDITO COMO FERRAMENTA DE INCLUSÃO

Constatando o recente crescimento do desemprego e a emergência de novos focos de pobreza e exclusão social, o Município de Ponte de Sor decidiu organizar, no âmbito da Plataforma Territorial Supraconcelhia do Alto Alentejo, uma sessão subordinada à temática do Microcrédito. O objectivo da iniciativa é sensibilizar os agentes sociais para o potencial do Microcrédito enquanto instrumento de inclusão e paz social.
Esta sessão realizar-se-á no dia 3 de Setembro de 2009, com início às 9h30m, no Auditório do Centro de Artes e Cultura (Fábrica de Arroz-Ponte de Sôr).
Para esclarecimento de dúvidas e informações diversas contactar: Paula Coelho Tel: 242 291 580 Fax: 242 291 589 e-mail: redesocial-cmpsor@mail.telepac.pt

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

NÃO SOFRA EM SILÊNCIO

De acordo com a International Association for the Study of Pain, a dor é uma experiência multidimensional desagradável, envolvendo não só um componente sensorial mas também um componente emocional, e que se associa a uma lesão tecidular concreta ou potencial, ou é descrita em função dessa lesão.
Isto significa que: a dor é uma experiência individual complexa com aspectos sensoriais, emocionais e sociais. É importante compreender que as pessoas não sentem a mesma dor de forma idêntica. Isto acontece porque as mensagens que a dor transmite ao nosso cérebro podem não ser interpretadas da mesma forma por diferentes pessoas, dado que a nossa expriência individual da vida condiciona a forma como sofremos e exprimimos a nossa dor. A dor foi instituída como 5º Sinal Vital. Significa que se deve considerar uma boa prática clínica, em todos os serviços prestdores de cuidados de saúde, a avaliação e registo regular da dor, como se faz há muitos anos para os 4 sinais vitais, nomeadamente a frequência respiratória, cardíaca, pressão arterial e temperatura corporal. A dor é inúmeras vezes subestimada, escondida, negada e, consequentemente, negligenciada tantos pelos doentes como pelos profissionais de saúde, por motivos culturais. Por outro lado se a tornarmos vísivel não podemos ignorá-la, tornando-se imperioso estabelcer uma terapêutica adequada ao seu controlo, contribuindo assim para melhorar a qualidade de vida dos doentes e a humanização das unidades de saúde do País. Sabemos que a dor é normalmente um aviso do corpo de que algo não está bem. Mas, por vezes, o aviso falaha e emite um alerta desnecessário ou desproporcional, pode haver mais dor mesmo quando não há qualquer tipo de doença ou lesão aparente. Algumas pessoas padecem de dores recorrentes, cefaleias (dores de cabeça), dores menstruais e aprendem a reconhecê-las como não ameaçadoras, mesmo que desagradáveis. Quando a dor é intensa e não se tem a certeza das razões da sua ocorrência, isto significa que o sistema de alarme está a desempenhar a sua tarefa. O maior problema ocorre quando a dor devia desaparecer e isso não acontece. Uma regra simples é a de que se a dor dura mais do que o esperado, então o doente poderá ter um problema de dor crónica. A dor que sentimos já é má por si só. Mas quando se vive com dor durante um longo período de tempo, as coisas tendem a piorar. A dor limita frequentemente a nossa capacidade para trabalharmos, divertirmo-nos e até mesmo para cuidarmos de nós. Muitas pessoas que padecem de dor crónica deixam os seus empregos, acrescentando problemas financeiros ás suas vidas. Á medida que o tempo passa sem que se sintam alívio, as pessoas ficam deprimidas. Por vezes parecem más e ingratas para a família, amigos e outros prestadores de cuidados, o que só aumenta a solidão e o isolamento social. Pode levar algum tempo até que os profissionais de saúde e os doentes estabeleçam uma relação de confiança, nem todos têm aptidões de comunicação e podem ocorrer equívocos, devemos pois tentar desenvolver um relacionamento honesto da parte do doente de modo a que estes sintam que estamos disponíveis e que acreditamos na sua dor e desejamos ajudar. Existem algumas coisas que o doente pode fazer. A mais importante é não perder a esperança. Surgem todos os dias novas ideias e descobertas que são partilhadas por médicos da dor a nível mundial. a manutenção da actividade física e mental é importante. As caminhadas ou a natação são muito úteis para algumas pessoas. Deve aprender a fazer exercício de forma regular. E quando tiver um período de alívio da dor, não deve exagerar na actividade física, deve usar calçado adequado que não force a sua postura. Deve tentar manter as suas actividades sociais especialmente mantendo-se em contacto com a família e os amigos. Se tiver de abandonar, temporariamente ou permanentemente, uma actividade de que gosta particularmente, substitua por algo igualmente estimulante ou conserve a mente ocupada. Se estiver empregado num trabalho pesado, explicar á entidade patronal os seus problemas, tem direito a ser colocado numa actividade mais leve de modo a evitar o insucesso e o risco de perder o emprego. A experiência da dor crónica afecta não apenas o doente mas também as pessoas á sua volta, especialmente a família mais próxima. Cabe-nos então a nós "doentes com dor", descobrir alternativas capazes de administrar nossas próprias frustrações a fazer da dor, uma experiência de carácter humano passível de ser vivida por cada um de nós.
Enfermeira Clara Gabriel